CURSO ONLINE DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO

Empreendedores, crise e liberdade

por María Paula Russo
Junho 2020

Este foi, por quase um ano, o ícone do grupo WhastApp em que trabalhamos com Francisco Santolo para conduzir a SCALABL® e sua expansão global. Enquanto confiava que empreender é "a arte de tornar possível" como ele sempre diz, parecia "o desgaste de mover blocos de pedra", e por isso escolhi essa imagem que hoje, no contexto de isolamento pela COVID-19, me levou a compartilhar essa experiência.

Anda pelo mundo um artigo seu, no qual afirma que "empreender não é criar empresas, não é ganhar dinheiro, não é ter funcionários ou escritórios" e que "empreender é simplesmente a arte de tornar possível".

No momento em que coloquei esse ícone no nosso grupo - rindo das muitas provas que a vida colocava contra a nossa própria convicção – empreender parecia "mover blocos de pedra" de um lugar para outro, em uma sala onde não havia espaço nem para nós mesmos e, claro, com pedras que não nos deixavam ver as saídas.

Seu artigo segue explicando que "empreender é provar mais e mais, é cair e se levantar".

E assim, trancados, movendo blocos de pedra, testando de novo e de novo, ficando exaustos e recomeçando, passamos buscando modelos de negócios repetíveis e escaláveis em cada país, testando nossas hipóteses para o desenvolvimento do cliente e testes com centenas - literais - de roadmaps de vendas.

Os blocos de pedra não são mais um ícone hoje, em vez disso, temos apenas um fundo violeta. Mudei há um tempo, porque tínhamos saído daquela sala, tínhamos nossos modelos e roadmaps definidos, e a Scalabl estava começando a ser, como aquela tela lisa, um espaço para refletir o virtuoso, repetível e escalável do nosso trabalho.  

O COVID-19 colocou em xeque novamente, entre muitas coisas, muitas das nossas empresas, destruindo a capacidade financeira e trazendo fortes limitações para continuar o faturamento.

E, entre as centenas de decisões que tivemos que tomar e executar com o tempo avançando contra nós, sempre me vinha à mente este parágrafo que eu nunca esqueci desde que o li na faculdade, no livro "Liberdade como Paixão", de Daniel Innerarity, que me cautivou a partir da linha "não há desculpas para parar de levar a liberdade a sério". Isso significa deixar de entender a liberdade como uma mera capacidade de escolha, transformando-a em indecisão perpétua. "Uma liberdade profunda é aquela que se realiza, que ganha vida, decide e compromete". Não é algo que está disponível, mas um valor com o qual você aposta, investe e joga.

As medidas de isolamento pelo avanço do coronavírus afetaram nossa principal unidade de negócios, deixando todos os nossos cursos presenciais no mundo em espera, mas não há nada que dê mais poder a uma pessoa para superar dificuldades externas e limitações internas, do que a consciência de ter uma tarefa na vida, um propósito. Tivemos que manter em pé uma empresa que traz valor genuíno para o mundo, que trabalha para a transformação de um sistema empreendedor ineficiente, que reúne na sua equipe um talento profissional inestimável com muito calor humano, e que é uma das empresas que funciona como engrenagem de várias economias do mundo que não podemos permitir que caiam.

Do lado de dentro, nesta pequena coisa que tenho que gerenciar nesta grande crise global, me agarrei nessa tarefa significativa, que deu seu fruto, e demos grandes passos no caminho para reverter a situação, com novos modelos de negócios e iniciativas em que já estávamos trabalhando, mas decidimos acelerar.

Ainda acho que somos sempre livres para empreender e tornar possível, mesmo que isso envolva adaptação e a movimentação de blocos de pedra uma e mil vezes.

 

Outros artigos de Francisco Santolo